quinta-feira, 16 de maio de 2013

O peso da espiritualidade e religião na vida de indivíduos idosos



         Quando chegamos à velhice, por ser considerada a última etapa de nossas vidas, de certa forma somos induzidos à reflexão sobre alguns temas que envolvem existência, morte e missão. A religiosidade e espiritualidade nesses casos nos fornece amparo como saída para encontrar as respostas dessas indagações. Ao chegar nessa etapa, algumas pessoas acham necessário fazer um balanço geral da vida, os resultados acabam por indicar um vácuo existencial e a religião e espiritualidade tornam-se mais presentes na vida dessas pessoas com a função de amparo nessa situação.
De maneira bem sucinta devemos deixar claro que religiosidade é quando um indivíduo segue, acredita e pratica uma religião e espiritualidade. Ela está ligada a um tipo de experiência que se expressa pela consciência de que existe uma dimensão transcendente caracterizada por certos valores em relação aos outros, a natureza, vida, a nós mesmos e qualquer outro aspecto reconhecido como ser supremo.
A presença da espiritualidade em nossas vidas pode estar relacionada com explicações fornecidas para esclarecer pontos cruciais sobre os fins últimos da existência, passado, presente, busca de significado, autotranscendência e heroísmo diante do sofrimento. A espiritualidade não necessariamente precisa ter ligação com a prática religiosa ou crença.
 Atualmente a Organização Mundial de Saúde (OMS) entende que a espiritualidade contribui imensamente para o aumento da qualidade de vida e foi incluída nos âmbitos de domínios que devem ser considerados nas avaliações e na promoção a saúde em todas as idades.
Idosos e adultos que percebem a vida com algum significado religioso são mais aceitadores e tolerantes do que os que não enxergam dessa maneira. Têm menor predisposição ao sentimento de vazio existencial e são mais realistas na perseguição de metas. Com isso, ficam menos expostos a insatisfação e frustração. É frequente ainda a percepção de bem estar subjetivo em idosos que tem a religiosidade e espiritualidade presentes em seu cotidiano, muitos se sentem bem e satisfeitos, independente das circunstâncias negativas a velhice. 
Existem duas teorias sobre o aumento na religiosidade na velhice. A primeira é que, por temerem a morte, os idosos passam a acreditar mais em Deus e a rezar mais. A religiosidade pode se dar ainda como um fenômeno cultural, que se apresenta de diferentes formas em diferentes sociedades. Assim os idosos atuais são mais religiosos do que os jovens, porque se desenvolveram num contexto em que a religião era mais presente nas famílias do que atualmente. A segunda considera que a proximidade da morte faz com que os idosos encaminhem buscas por temas existenciais e que o façam por meio da crença ao sagrado.
Os indivíduos mais longevos acabam por desenvolver algo que chamamos de gerotranscendência, reforçando o senso de integridade do ego e sabedoria. A morte pode ser entendida como um evento sintônico a vida e desfecho natural de todos os seres humanos, envolvendo diversos aspectos relacionados à compreensão do mundo de ampliação do self e envolvimento vital em busca da paz de espírito. Estes idosos dificilmente negam a velhice e quando se mantém produtivo perante a sociedade, alcançam tal nível de maturidade, que reconhecem seus próprios limites, não em busca de estar à altura das expectativas dos outros, mas se engajam na busca da perfeição pessoal que lhe parecem significativa.

3 comentários:

  1. Muito bom o post!

    Gostaria de entrar em contato por e-mail com o autor. Seria possivel?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Taís, boa tarde.
      Obrigado pelo comentário, é possível entrar em contato sim. O e-mail é envelhecimentoemfoco@gmail.com

      Não deixe de prestigiar nossa página!

      Excluir