quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Pneumonia em idosos, um problema cada vez maior.

     Nessa época do ano, é muito importante conversarmos sobre um problema cada vez mais frequente não só entre idosos, mas também em pessoas de qualquer faixa etária, a pneumonia. O que você sabe sobre essa doença? Tudo bem, normalmente não costuma-se buscar informações a respeito desse tipo de complicação, até que se esteja frente a uma.

        A pneumonia pode ser caracterizada como a inflamação dos pulmões e é causada principalmente por bactérias, fungos ou vírus, na linguagem técnica, chamados de agentes infecciosos. No grupo de doenças que lideram o ranking das internações hospitalares, a pneumonia encontra-se no topo. Entre os idosos é a quarta causa principal de hospitalização. Em 2010 o Sistema de Informações sobre Mortalidade do Ministério da Saúde divulgou que em decorrência da enfermidade 43 mil  idosos foram a óbito no Brasil. Devido a esse dado alarmante, o ministério da saúde reforçou a campanha nacional de vacinação contra a gripe em nosso país.

       É  a doença mais prevalente entre idosos, não porque o indivíduo tende a ficar doente nessa fase da vida, mas sim por sua condição de vulnerabilidade e fragilidade que os tornam mais suscetíveis a doença. Nosso organismo tende a sofrer alterações em seu funcionamento com o passar dos anos e o sistema imunológico acompanha essas mudanças. Por isso é extremamente importante que você fique atento a como evitar esse tipo de doença e quais providências deve tomar caso note algum sinal ou sintoma. 


  
Os sintomas mais comuns são:
  • Tosse com secreção (podendo não haver sangue);
  • Febre alta;
  • Calafrios;
  • Falta de ar;
  • Dor torácica durante a respiração;

       O diagnóstico é basicamente realizado de forma simples, o médico deverá considerar a história clínica do paciente. Essas informações são coletadas através de diálogo com o próprio paciente e com familiares, exame clínico e raio-x. O tratamento é baseado no uso de antibióticos, mas vale a pena lembrar que nessa situação o plano terapêutico é realizado de acordo com o agente causador, ou seja, não é indicado o uso desses medicamentos sem recomendação médica. 
  
         As dicas de prevenção não são complicadas, vejam só: 
  • Lavar as mãos;
  • Evitar ambientes frios e úmidos sem proteção adequada;
  • Higiene oral;
  • Controle de outras doenças pré-existentes;
  • Em pacientes acamados ou com repouso prolongado, posicionar o indivíduo e o leito de forma correta, evitar uso de colchões de água, mantê-lo bem agasalhado e realizar a mudança de decúbito;
        Para os idosos, a vacina contra a gripe pode ajudar a reduzir o risco de pneumonia em cerca de 60%, e o risco de hospitalização e morte em 50% a 68%. Por isso não deixe de tomar a vacina no posto de saúde mais próximo a sua residência e ir até um proto socorro ou comunicar seu médico caso sinta a presença sintomática da doença, evitando assim o seu agravo. Lembre-se também de não tomar medicamento por conta própria, as práticas caseiras de tratamento podem ser uma saída, mas antes discuta com seu médico essa possibilidade.